domingo, 2 de agosto de 2009

Do acaso, que por um acaso



É sobre o acaso!
E nem sei se por um acaso
o acaso existe!

Só sei que se acaso ele existir,
é dele então a maioria
dos versos da poesia minha.

Um acaso conheci,
e por um acaso conversamos,
até o sol ir e a noite cair.
E então nos calamos.
E por uma acaso,
o acaso me disse,
o que acaso eu queria dizer!

E então não mais por um acaso ,
já do prevido,
o nosso silêncio
tornou-se o que acaso me faz escrever.

Passou-se tempo
e passou-se horas.
O acaso te levou e trouxe de volta.

E então é do acaso
do acaso que me trouxe
e não te leva.
O acaso que nos leva e nos traz
na sintonia nossa.

Do acaso que me trouxe.
E da culpa do acaso,
se acaso ele existir!
E é no meu acaso,
que acaso você sempre estará.


Tudo por acaso - Lenine

Um comentário:

  1. Olá Simone ,fiquei contente que tivesse visitado meu blog, e também já gostei do seu.
    Espero receber mais visitas tuas.
    Beijo carinhoso
    Miguel

    auroraseocasos.blogspot.com

    ResponderExcluir